Projeto Jordão – 03/08/14 – A importância da confissão de pecados

Compartilhe -

Na quinta-feira vimos que fomos chamados para ser atalaias. Na sexta-feira vimos o exemplo de João Batista, um atalaia, vimos que o centro da mensagem dele era o arrependimento e a preparação para a vinda do Senhor. Ontem vimos o engano espiritual dos Últimos Dias que deve ser combatido pelos atalaias.

Hoje vamos encerrar o Projeto Jordão analisando três orações de intercessão que foram muito eficientes:

PRIMEIRA – DANIEL

Vou resumir pra vocês o contexto:

Mil anos antes, Israel estava no Egito (entrou pequena como uma família e saiu de lá como uma nação). No deserto Israel aprendeu os mandamentos, foi guiado por Moisés, depois conquistou a Terra Prometida. Já afastado do Senhor rejeitou o seu governo e decidiu ser governado por reis (Saul, Davi e Salomão, depois outros menores), o reino é dividido, os líderes e o povo começam a seguir o exemplo dos povos pagãos e começam a adorar ídolos. O Senhor envia os seus profetas, para anunciar que se não deixassem os falsos deuses, Deus enviaria o Juízo, mas a mensagem dos profetas foi rejeitada. O povo permaneceu no erro, até que Deus enviou o castigo: Nabucodonosor, rei da Babilônia, o poder que vinha do Norte (Jeremias) conquistou e destruiu Judá (2 Crônicas 36:14-17). Muitos morreram, muitos foram levados cativos, muitos fugiram para outras nações, se dispersaram.

Em 605AC Nabucodonosor invadiu Jerusalém pela primeira vez e levou como prisioneiros nobres e cidadãos importantes (Daniel, Ezequiel, p.e.). Enquanto isto, a orientação de Deus através do profeta Jeremias e Ezequiel era: não lutem contra, construam casas, casem, se multipliquem. Se a cidade estiver bem, vocês também estarão (Jr 29).Jeremias profetizou que o cativeiro duraria 70 anos. A ordem de Deus era para serem pacíficos, que assim eles viveriam. Mas o povo acreditou nos falsos profetas, que mandavam resistir. E veio a destruição.

Em 587 ocorreu uma invasão mais violenta, o saque de Jerusalém, a queda da monarquia e a remoção para a Babilônia de tudo que tornava Judá viável. A cidade ficou devastada. Houve muita morte e destruição.

Daniel, lá no exílio, por volta de 542 AC, se lembra da situação de Judá, entendendo que o período do Juízo de Deus já estava acabando, e começa a buscar ao Senhor a respeito disto.

Em Dn 9:3-6 está escrito:

“E eu dirigi o meu rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, e saco e cinza. E orei ao Senhor meu Deus, e confessei, e disse: Ah! Senhor! Deus grande e tremendo, que guardas a aliança e a misericórdia para com os que te amam e guardam os teus mandamentos; Pecamos, e cometemos iniquidades, e procedemos impiamente, e fomos rebeldes, apartando-nos dos teus mandamentos e dos teus juízos; E não demos ouvidos aos teus servos, os profetas, que em teu nome falaram aos nossos reis, aos nossos príncipes, e a nossos pais, como também a todo o povo da terra.”

O v. 3 diz que começou a buscar a Deus com oração e jejum. Nos versos seguintes, ele confessa os pecados do seu povo, intercedendo por ele. Daniel entendia que tudo que aconteceu era consequência do pecado, resultado da desobediência do povo e do Juízo de Deus. Então o Senhor o leva a pedir perdão pelos pecados daquela geração.

Como resultado, poucos anos depois, Ciro, rei da Pérsia, conquistou a Babilônia. No primeiro ano do reinado de Ciro, ele permitiu que os exilados voltassem e reconstruíssem o templo. Muitos ficaram na Babilônia. Depois de muita oposição o templo foi inaugurado (Esdras 6).

SEGUNDA – ESDRAS (SESSENTA ANOS DEPOIS)

Em Esdras 9 a Palavra afirma que o povo de Israel estava cometendo as mesmas abominações dos outros povos, casavam seus filhos com eles, desobedecendo uma ordem clara de Deus. Ao saber disto Esdras ficou indignado.

“E perto do sacrifício da tarde me levantei da minha aflição, havendo já rasgado as minhas vestes e o meu manto, e me pus de joelhos, e estendi as minhas mãos para o Senhor meu Deus; E disse: Meu Deus! Estou confuso e envergonhado, para levantar a ti a minha face, meu Deus; porque as nossas iniquidades se multiplicaram sobre a nossa cabeça, e a nossa culpa tem crescido até aos céus. Desde os dias de nossos pais até ao dia de hoje estamos em grande culpa, e por causa das nossas iniquidades somos entregues, nós e nossos reis e os nossos sacerdotes, na mão dos reis das terras, à espada, ao cativeiro, e ao roubo, e à confusão do rosto, como hoje se vê.” (v. 5-7)

No v. 10 ele confessa deixamos os teus mandamentos”.

No capítulo 10, a Palavra afirma:

“E enquanto Esdras orava, e fazia confissão, chorando e prostrando-se diante da casa de Deus, ajuntou-se a ele, de Israel, uma grande congregação de homens, mulheres e crianças; pois o povo chorava com grande choro. Então Secanias, filho de Jeiel, um dos filhos de Elão, tomou a palavra e disse a Esdras: Nós temos transgredido contra o nosso Deus, e casamos com mulheres estrangeiras dentre os povos da terra, mas, no tocante a isto, ainda há esperança para Israel. Agora, pois, façamos aliança com o nosso Deus de que despediremos todas as mulheres, e os que delas são nascidos, conforme ao conselho do meu senhor, e dos que tremem ao mandado do nosso Deus; e faça-se conforme a lei.”

A confissão de Esdras, sua intercessão confessando os pecados do povo produziu um efeito. Os israelitas confessaram seu pecado e fizeram nova aliança com Deus.

TERCEIRA – NEEMIAS (QUATORZE ANOS DEPOIS)

O terceiro exemplo é Neemias. Por volta de 444 AC, Neemias descobriu que os muros estavam derrubados. Ele orou, pediu permissão ao Rei e foi autorizado a voltar para reconstruir os muros da cidade. O primeiro capítulo deste livro mostra Neemias na mesma situação de Daniel e Esdras. Ele recebe notícias do seu povo, de que eles estavam em miséria. Ele vai jejuar e orar e Deus dá entendimento de que aquilo tudo era resultado do pecado e desobediência.

Neemias 1:1-7:

“As palavras de Neemias, filho de Hacalias. E sucedeu no mês de Quislev, no ano vigésimo, estando eu em Susã, a fortaleza, Que veio Hanani, um de meus irmãos, ele e alguns de Judá; e perguntei-lhes pelos judeus que escaparam, e que restaram do cativeiro, e acerca de Jerusalém. E disseram-me: Os restantes, que ficaram do cativeiro, lá na província estão em grande miséria e desprezo; e o muro de Jerusalém fendido e as suas portas queimadas a fogo. E sucedeu que, ouvindo eu estas palavras, assentei-me e chorei, e lamentei por alguns dias; e estive jejuando e orando perante o Deus dos céus. E disse: Ah! Senhor Deus dos céus, Deus grande e terrível! Que guarda a aliança e a benignidade para com aqueles que o amam e guardam os seus mandamentos; Estejam, pois, atentos os teus ouvidos e os teus olhos abertos, para ouvires a oração do teu servo, que eu hoje faço perante ti, dia e noite, pelos filhos de Israel, teus servos; e faço confissão pelos pecados dos filhos de Israel, que temos cometido contra ti; também eu e a casa de meu pai temos pecado. De todo nos corrompemos contra ti, e não guardamos os mandamentos, nem os estatutos, nem os juízos, que ordenaste a Moisés, teu servo.”

Como resultado da intercessão de Neemias, os muros da cidade foram reconstruídos.

Sabe o que são os muros? As defesas contra os inimigos que vinham de fora. Isto contribuiu para que a nação fosse purificada das influências pagãs e a nação se consagrasse mais ao Senhor.

CONCLUSÃO

Você percebe em Daniel, Esdras e Neemias um padrão? Eles andavam no caminho do Senhor e tinham um relacionamento com Ele.

Aqueles pecados não foram praticados por eles. Os pecados que eles confessaram eram dos outros, mas eles confessaram a Deus em nome deles! Eles foram a Deus em nome de todos e clamaram: “pecamos, cometemos, procedemos, fomos rebeldes, não demos ouvidos…”

Nós encontramos na Palavra algumas pessoas pedindo perdão a Deus. Nós encontramos, por exemplo, o filho pródigo (Lucas 15:21) dizendo “Eu pequei”. O “Eu pequei” e o “Eu confesso” não quer dizer a mesma coisa.

O “Eu pequei” ocorre quando admito uma fraqueza pessoal. O “Eu confesso” é mais do que isto. Nele eu admito e conto para Deus. Me coloco na brecha por todos, como parte do mesmo corpo e confessa a Deus os pecados deste corpo. Ele implica em entender que somos parte de um corpo, somos parte da IGREJA, o pecado de um é pecado de todos. Ele dói em todos. Afeta a todos. Muitas consequências são sofridas por todos.

Quando eu me coloco nesta posição eu faço uma verdadeira intercessão. E esta intercessão produz muitos efeitos!

Nestes últimos dias Deus tem levantado vários profetas, em várias nações diferentes, para lembrar aos seus filhos estas Palavras. No Brasil nós temos visto que a IGREJA está se afastando cada dia mais do Caminho, cheia de corrupção, imoralidade, amor ao dinheiro… e Deus tem levantado aqueles que andam no caminho do Senhor para interceder.

Precisamos entender a importância disto! Eu preciso que você entenda que nós, como igreja do Senhor, somos parte de um corpo. Este corpo está se corrompendo. A cada dia mais se mistura com a idolatria e o modo de viver dos que rejeitam a Deus! Nós temos visto isto no meio da nossa nação, e não podemos ficar parados, assistindo, sem nada fazer.

Precisamos tomar uma posição. Você precisa tomar uma posição. Preparar o caminho para a volta de Jesus não é somente anunciar a salvação, anunciar o Juízo, exortar, mas tomar a autoridade e interceder, confessar os pecados da IGREJA, para que Deus traga o arrependimento e a transformação. Foi isto que fizeram Daniel, Esdras e Neemias!

© 2014 Frontier Theme